Receitas do mês – doce natal!

Doce (não importa qual) é algo sempre presente nas mesas de natal. Este mês, vou colocar duas receitas: uma típica do natal, e outra típica da culinária de Jerusalém.

 

rabanadas de forno
foto arquivo pessoal

Rabanadas: sua origem é um mistério. Aparece documentada no século XV, como prato indicado para recuperação pós-parto. Há receita em um livro de culinária de 1607, em Madri. Na França, é conhecida como Pain Perdu, preparada em uma chapa. Em Portugal, chama-se Fatias de Ovos ou Fatias Douradas. Em alguns países da América do Sul, Tostadas Francesas. Nos Estados Unidos, French Toast

Não importa como surgiu, nem qual o motivo de ser um prato típico natalino. É uma delícia, tem sabor de uma doce manhã de natal, e é mais um símbolo dessa época tão especial. Melhor ainda: essa receita não usa fritura, é feita no forno!

Rabanadas de forno

Ingredientes

4 pães franceses (tente deixá-lo uns dois dias em um prato, para ficar ressecado)

2 xícaras (chá) de leite (pode ser desnatado)

1 lata de leite condensado

3 ovos batidos com uma pitada de canela em pó

açúcar e canela em pó misturados, a gosto

Modo de fazer

Corte os pães em fatias médias (2 a 3 cm de espessura). Em uma tigela, misture o leite e o leite condensado. Mergulhe as fatias de pão nessa mistura até que fiquem bem úmidas. Passe essas fatias na mistura de ovos. Em uma assadeira untada (se usar assadeira de teflon, não precisa untar), coloque os pães e leve ao forno aquecido a 180°. Fica pronta em 35 minutos, em média. Após assadas, polvilhe com o açúcar e a canela.

Jerusalém
foto Creative Commons

Jerusalém. Localizada nas montanhas da Judeia, entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Morto, é uma das cidades mais antigas do mundo: juntamente com alguns lugares próximos, é considerada por muitos como Terra Santa, por ser o local de pregação, morte e ressurreição do Senhor Jesus. Repleta de sabores e culturas diferentes, Jerusalém é complexa demais para ser descrita.

pudim de iogurte com pêssego
foto arquivo pessoal

Pudim de iogurte com pêssegos cozidos

Ingredientes

4 folhas de gelatina incolor (ou um pacote de gelatina em pó incolor)

200 ml de creme de leite fresco (ou 1 caixinha de 200 g)

200 ml de leite integral (pode ser o desnatado)

190 g de açúcar

½  fava de baunilha, com as sementes raspadas (pode ser substituída por essência de baunilha)

raspas de ½ laranja

200 g de iogurte grego

250 ml de água

125 ml de licor de anis

4 pêssegos (400 g no total) (podem ser substituídos por peras, damascos frescos e até morangos)

4 colheres (sopa) de caldo de limão

20 g de pistaches laminados ou triturados

Modo de fazer – pudim

Coloque a gelatina numa tigela com bastante água fria e deixe amolecer por alguns minutos.

Junte numa panela pequena o creme de leite, o leite, 90 g de açúcar e a fava de baunilha e metade das sementes (ou 1 colher de chá da essência) e as raspas de laranja. Leve ao fogo médio, até levantar fervura, e retire do fogo. Remova a fava de baunilha, enxágue-a e reserve.

Coloque o iogurte em uma tigela média e bata enquanto adiciona a mistura de creme de leite devagar. Se você usar a gelatina em folha, esprema a água das folhas, coloque na tigela e mexa até dissolverem completamente. Se for gelatina em pó, dissolva em 5 colheres (sopa) de água, misture, leve ao microondas por 10 segundos e acrescente à receita.

Despeje o doce em 4 potinhos com capacidade para 150 ml e deixe firmar por 5 horas, no mínimo. Ou coloque na geladeira, por 3 horas.

Modo de fazer – calda de pêssegos

Coloque a água, o licor, a fava de baunilha enxaguada com o restante das sementes (ou 1 colher de chá de essência) e o restante do açúcar numa panela média. Deixe levantar fervura e acrescente os pêssegos (lavados e descascados). Eles precisam ficar imersos, por isso, se forem muito grandes, corte ao meio e retire o caroço. Cozinhe em fogo brando por 8 a 12 minutos, dependendo de quão maduros estejam; eles precisam ficar completamente macios. Retire do fogo e deixe esfriar na panela. Depois de frios, acrescente o caldo de limão e leve à geladeira por até 2 dias, se não for servir imediatamente. 

Você pode servir o doce desenformando em um prato, ou direto no pote em que foi feito. É só acrescentar a calda e os pêssegos, polvilhar com o pistache, e aproveitar esse sabor delicado e delicioso!

Essa receita foi retirada do livro JERUSALÉM, de Yotam Ottolenghi e Sami Tamimi. Substituí o arak (que não achei por aqui) pelo licor de anis.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *